Destaque

Países que perseguem a Igreja: como vivem os cristãos no Mali

Muitos seguidores de Cristo tiveram suas casas e igrejas destruídas e agora vivem deslocados e vulneráveis à perseguição de extremistas islâmicos.

POPULAÇÃO: 20,2 milhões 
CRISTÃOS: 467 mil 
RELIGIÃO: Islamismo, cristianismo, animismo e ateísmo 
GOVERNO: República semipresidencialista 
LÍDER: Bah Ndaw
POSIÇÃO: 28º na Lista Mundial da Perseguição

O país conhecido como República do Mali é o sétimo maior da África. Os cristãos que vivem por lá sofrem opressão islâmica e hostilidade etno-religiosa. Os ataques às igrejas são violentos e orquestrados por redes criminosas, quadrilhas ou grupos extremistas de outras religiões.

Em áreas do Norte amplamente controladas por grupos extremistas islâmicos, quem segue a Cristo corre maior risco. Cristãos ex-muçulmanos são mais visados por serem vistos como apóstatas pela comunidade islâmica. Para os familiares é motivo de vergonha ter um parente que se converte à outra religião. 

“Mais de uma vez, minha família enviou jihadistas à minha casa para nos matar ou pelo menos intimidar. Os planos deles nunc funcionaram. Mas um dia, enquanto meu marido estava em uma viagem de negócios, ele foi morto a tiros. Ele foi morto pela fé, e por se casar com uma ex-muçulmana. Seus colegas me deram a terrível notícia. Mesmo agora, eu não tenho ideia do que aconteceu com o corpo dele”, disse Naomi, cristã ex-muçulmana no Mali.

Incidentes violentos contra a igreja no Mali

Em 2012, quando grupos extremistas islâmicos assumiram o controle da parte norte do país, muitas igrejas foram incendiadas e cristãos foram forçados a fugir. O deslocamento que aconteceu ainda afeta os cristãos que perderam suas casas e cujas igrejas foram destruídas. 

Atividades evangélicas são especialmente arriscadas e costumam atrair os extremistas islâmicos. Missionários cristãos vivem sob a constante ameaça de sequestro e alguns foram de fato sequestrados por jihadistas. 

Mesmo no Sul do país, onde os cristãos gozam de mais liberdade religiosa, as ameaças de grupos extremistas islâmicos aumentaram. Além disso, o golpe no final do verão de 2020 deu continuidade à agitação política no país, deixando a porta aberta para que extremistas se enraizassem em lugares que não tinham uma liderança forte.

Situação de mulheres e homens cristãos

As ex-muçulmanas são especialmente vulneráveis ao abuso sexual, divórcio forçado e, quase sistematicamente, casamento forçado. Isso é comum no Norte do Mali. Embora existam leis nacionais para proteger mulheres e meninas em geral, as práticas tradicionais acabam prevalecendo.

Sequestrar meninas cristãs e forçá-las a se casar com muçulmanos é uma tática comum usada por extremistas islâmicos para espalhar o islã. Algumas meninas cristãs acabam recorrendo à prostituição para sobreviver. As viúvas também são vulneráveis.

Homens e meninos cristãos estão sujeitos a ataques físicos violentos por causa da fé. A pobreza generalizada em um dos países mais pobres da África pode impulsionar o recrutamento entre os jihadistas, principalmente os cristãos que vivem em áreas rurais. Na tentativa de proteger os meninos cristãos, os pais acabam por enviá-los para regiões mais seguras.

Fonte: Guiame

Related posts

Terroristas do Boko Haram matam mais de 100 pessoas em novo ataque na Nigéria

Thiago Nogueira

Pastor que teve aparelhos desligados após sinais de morte cerebral testemunha milagre da recuperação

Júlia Silva

Jovem de 21 anos morre de covid após parto de emergência em Franca (SP)

Júlia Silva

Deixe um comentário